quinta-feira, abril 30, 2009

As aspas...


Bendita Festa completando 4 anos, resolvemos pedir aos amigos que já passaram por lá, algumas palavrinhas sobre a Bendita. Olha na belezura que deu:

André Abujamra: “Bendita foi a hora que me chamaram pra discotecar na festa da Bendita. Eu e o Fatmarley sempre correremos pra poder estar onde a Bendita estiver.”

Maurício Pereira: "Que prazer ter ido na Bendita botar som pro povo chacoalhar um pouco, chacoalhar um pouco eu também. É verdade, a vibe é mesmo bendita, livre, solta, brincante… Ajoelho, reverencio, dou um pinote e digo de boca cheia: que festa booooa, sô!"

Beto Villares: “Só uma coisa a dizer da Bendita: quero fazer de novo e de novo e de novo!!"

Kiko Dinucci: “Essa Bendita festa possibilitou que músicos de naturezas diversas se aventurassem na arte da discotecagem, isso é possível graças à veia eclética e pluralista que a festa tem. Eu e uma fila de músicos fomos descabaçados pelo DJ Theo Werneck (no bom sentido, é claro) que com toda paciência explicava: olha, aqui é o mixer, o CDJ. Já vi muito dos músicos que passaram pela Bendita virar DJ pra valer e pegar o gosto em incendiar a pista. A Bendita reflete o amor pela música e pela possibilidade de ampliar e compartilhar essa vivência quase familiar vinda de suas realizadoras. Vida longa a Bendita!”

Karina Buhr: "Primeiro um friozinho na barriga, depois só alegria! Escolher música, tirar música... Maravilha ver a galera dançando e fazendo cara de susto bom com a seleção... sem falar em Theo Werneck, o salva-vidas luxuoso de DJs de primeira viagem."

Tulipa Ruiz: "Bendita é a sensação de discotecar uma música que você curte e ver as pessoas dançando felizes!"

Bruno Morais: "A Bendita com certeza é das umas minhas festas preferidas em São Paulo. É muito raro você se sentir tão em casa como na Livraria da Esquina nas noites benditas. A descontração e a surpresa estão garantidas pois nunca sabemos o que os DJs convidados irão tocar e a curiosidade ao redor daquele artista e suas referencias garantem a emoção, a expectativa e o papo sobre musica. Quem fequenta a Bendita sabe que a possibilidade daquela musica que você sonha em ouvir um dia numa pista de dança tocar é enorme. E como DJ é muito legal deixar de ser o artista que vai tocar, cantar e se expressar, ficar livre dessa responsabilidade ainda que responsável pela trilha sonora da balada: pensar em diversão. O que vai fazer as pessoas dançarem? Ver o mapa das pessoas migrando para a pista e sentir como elas reagem ao seu baile ideal. Gerar o descontrole. Não tem nenhuma relação com o que você como artista quer mostrar ou dizer é justamente o contrário, o que as pessoas na pista querem ouvir e dançar? Uma delicia essa experiencia.”