quarta-feira, abril 22, 2009

Guizado - esta é uma resenha!

Pensando nos questionamentos trazidos pela Ana, eu publico aqui minha primeira resenha digamos "profissional" (publicada na revista Jazz+ em fevereiro de 2009).
De fato resenhar não é uma tarefa fácil, mas acho que a graça está justamente em não ser neutro e deixar transparecer os verdadeiros motivos que te fazem gostar tanto de algo. Pelo menos quando eu leio um texto apaixonado tenho muito mais curiosidade de saber o que provoca esse sentimento na pessoa que escreveu.
Por isso com muito prazer, lanço aqui a temporada das resenhas, opiniões, sugestões e muita rasgação de seda! Imperdível!



Guizado
PUNX

++++
O disco de estréia do Guizado, codinome do trompetista Guilherme Mendonça, alia sopros e sintetizadores numa espécie de trilha-sonora urbana. Partindo de influências como hip hop, blues, free jazz e afro beat, surge o Punx, trabalho solo do músico que já acompanhou Curumin, Lucas Santanna, a banda DonaZica, e soma com muita originalidade todas essas referências.
O som, que parte de experimentos com samplers, sintetizadores analógicos e até gameboy, transforma-se numa colagem de ruídos, texturas e cores que remete a um fim de tarde na capital paulista. Aliás, esse efeito imagético é característica forte do som do Guizado. Quem já teve a oportunidade de ver seu show junto às projeções do coletivo MidiaDub, sabe que a junção é hipnótica. Mas Punx conta também com um suporte de peso, na bateria revezam Curumin e Maurício Takara (Hurtmold) e na guitarra e baixo, respectivamente, Régis Damasceno e Rian Batista (da banda cearense Cidadão Instigado).
Guizado também afirma sua preocupação em levar seu som ao máximo de pessoas, motivo para a escolha do acessível formato SMD (semi metalic disc) para o lançamento de 2008, assinado pelos selos Diginóis e Urban Jungle.